Utilizamos cookies para melhorar a sua experiência em nosso site. Ao continuar navegando você concorda com a nossa política de privacidade.
Aceitar e fechar
  •  
     

    Mensagem de uma família de fraternos do MChFM para a Páscoa

    Se emocione com a mensagem da família para os Maristas de Champagnat

    11.04.2022 17:18:07 | 4 minutos de leitura

    Mensagem de uma família de fraternos do MChFM para a Páscoa

    Com o intuito de partilhar um pouco de suas vivências como família de Leigos Maristas, João Ricardo Nishiura (Johnny), Andréa Costa Garcia e Letícia Garcia Nishiura escreveram um depoimento sobre o tempo de preparação para a Páscoa. A saber, eles fazem parte da Fraternidade Irmão Panini, do Movimento Champagnat da Família Marista, em São Paulo (SP).

     Páscoa vivenciada em família

    Inicialmente, queremos externar a nossa alegria pelo convite da Coordenação Provincial do MChFM para nos comunicar com os Maristas de Champagnat de nossa Província, por meio do boletim “Em torno da mesma mesa”. É um grande prazer estar em contato com pessoas tão queridas desse Movimento.

    Somos uma Família Marista por essência: ex-alunos maristas do Colégio Arquidiocesano de São Paulo, cada um em seu tempo. A Letícia formou-se em 2019 e hoje é estudante de Química na USP-Butantã. A Andréa formou-se em 1988 e é pedagoga também formada pela USP. O Johnny formou-se em 1981 e é economista pela FAAP-SP.

    E falar sobre a Páscoa para nós cristãos, católicos e membros leigos de um carisma Mariano, tem um significado muito especial. Jesus nasceu de Maria e ressuscitou para a nossa redenção!

    A Quaresma e o tempo Pascal sempre marcaram a nossa família por momentos de reflexão, de atenção, de espera, culminando (graças ao bom Deus) com momentos de felicidade e de celebração da vida. Assim como está nos preceitos desses Tempos Litúrgicos. É uma época do ano, que ainda no início, nos preenche com muita esperança, sonhos, planejamento e por muitos aniversários em nossas famílias, por exemplo do Johnny (8 de abril) e da Letícia (27 de abril).

    É dentro deste contexto da vida familiar que procuramos experimentar, a cada ano, o significado da Páscoa. Do renascimento, da conversão para práticas e pensamentos melhores, do cuidado com a vida, que de tão efêmera merece ser celebrada e cultivada em cada gesto, olhar, toque e sentimento. 

    Estabelecemos uma conexão muito forte com a Carta Circular de 2020: “Lares de Luz, Cuidamos da vida e geramos nova vida”, do Ir. Ernesto Sanchez, nosso Superior Geral. Ela chegou bem no início da pandemia da Covid-19 e que “força” nos deu para atravessarmos esse período tão triste e tão turbulento, em que foi muito significativo nos tornar “Lares de Luz que cuidam da vida” (conforme Capítulo II da Circular). 

    Podemos dizer, como Família Marista que somos, que a nossa Páscoa é uma busca por nos mantermos como um “Lar de Luz”, que nos exatos termos do Ir. Ernesto nos diz:

     

    “Cuidar da vida é cuidar da luz de casa, do lar para que se mantenha acesa e ardente. Trata-se então do próprio cuidado pessoal, do cuidado das pessoas com quem vivemos, do cuidado de quem acolhemos, do cuidado da terra que é nossa casa comum e, por fim, do ‘cuidado de Deus’”.

     Admiramos toda a simbologia e ritos do Tríduo Pascal. Mas a celebração da Sexta-Feira da Paixão sempre nos foi muito significativa, quer seja por seus contornos de recolhimento, de silêncio e de penitência, e até mesmo pela abstinência da carne como alimento. 

    Quando chega o domingo da Páscoa, é claro que a alegria pela Ressurreição de Jesus se materializa na reunião com os pais e irmãos para comemorar a benção do alimento e a troca dos ovos de chocolate.

    De maneira muito singela, esperamos ter compartilhado, com muita alegria, um pouco de nossa convivência no Tempo Litúrgico mais importante da fé católica. E desejamos, desde já, a todos os Maristas de Champagnat que nos prestigiaram com a sua leitura, uma abençoada e feliz Páscoa!

     

    Saudações Maristas!


    Andréa, Letícia e Johnny (ou João Ricardo, nome adotado para o “mundo formal”)